Experimento do Instituto de Ciência e Tecnologia COMIGO destaca o Mulato II como excelente opção para ILP

De acordo com o estudo do ITC, o Mulato ll demonstrou melhores resultados quando comparado a outro cultivar do mercado em diversas variáveis

Pesquisadores afirmam: Mulato II é o mais indicado para Integração Lavoura Pecuária

O Instituto de Ciência e Tecnologia COMIGO – ITC, em Rio verde – GO, publicou em seu último anuário de pesquisas pecuárias 2019/2020 (página 82 a 93) resultados de um experimento com destaque para a Brachiaria híbrida cv. Mulato ll, da Barenbrug, como excelente opção para ser utilizada em sistemas de Integração Lavoura-Pecuária (ILP).

O ensaio nomeado Características de Forragem e Desempenho de Bovinos de Corte em Pastagem de Mulato II e Mavuno em Sistema de Integração Lavoura-Pecuária* consistiu em avaliar a produção de massa, qualidade da forragem, desempenho animal e viabilidade econômica entre os cultivares quando implantados em sistema de ILP.

 

De acordo com o Instituto de Ciência e Tecnologia COMIGO – ITC, o Mulato ll demonstrou melhores resultados em diversas variáveis, dentre as quais podemos citar: maior produção de massa de forragem, maior ganho em @/hectare e melhor viabilidade econômica do sistema.

 

Mulato II é destaque no anuário da ITC -COMIGO 

 

Resultados comprovados pela pesquisa do ITC – COMIGO

 

Acúmulo de massa de forragem

A Brachiaria híbrida cv. Mulato ll apresentou cerca de 130% a mais de acúmulo de massa de forragem em relação ao acumulado ao outro cultivar. 

Disponibilidade de massa no pré e no pós pastejo

Durante o pré-pastejo, a Brachiaria híbrida cv. Mulato ll produziu 4.016 kg de MS ha-1, enquanto o outro produziu no mesmo período 2.680 kg de MS ha-1.

 

Isso significa dizer que o Mulato ll desempenhou uma produção de 50% a mais. Além disso, o componente folha na massa de forragem produzida no pré-pastejo pela Brachiaria híbrida cv. Mulato ll foi de 24% maior.

 

A maior produção de massa de forragem para a Brachiaria híbrida cv. Mulato ll permitiu maior tempo de ocupação dos animais dentro dos piquetes. Isso representou cerca de 1,5 dias a mais no período de ocupação.

 

O maior acúmulo de forragem para a Brachiaria híbrida cv. Mulato ll foi evidente tanto no pré-pastejo como no pós-pastejo, e com grande participação de folhas em ambas as situações.

 

Estudo da Comigo compara Mulato II e Mavuno em ILP
Estudo da ITC - COMIGO compara os cultivares Mulato II e Mavuno

 

Pesquisadores da COMIGO ressaltam a estrutura do pasto e a produção de forragem da Brachiaria híbrida cv. Mulato ll

Os pesquisadores que conduziram o experimento destacaram a estrutura do pasto e a produção de forragem como os principais atributos da Brachiaria híbrida cv. Mulato ll.

Ressaltaram ainda a importância do sistema de ILP para suprir a falta de forragem na estação seca do ano posicionando a Brachiaria híbrida cv. Mulato ll como uma forrageira capaz de produzir massa de forragem suficiente para refletir em ganho de peso dos animais no cenário de entressafra, como mostraram os resultados do trabalho.

 

Os animais mantidos nos piquetes da Brachiaria híbrida cv. Mulato lI apresentaram ganho de peso total e produção em arrobas superiores, proporcionando uma diferença de 37% a mais em arrobas.

 

Conclusão: Mulato II é mais indicado para ILP

 

Com os resultados obtidos durante o experimento os pesquisadores constataram que a Brachiaria híbrida cv. Mulato II é mais indicada para sistemas de ILP quando comparado ao outro cultivar, devido a sua maior produção de massa, alta proporção de folhas e excelente capacidade de rebrote. Além disso, o ganho adicional em @/hectare permitiu a viabilidade econômica para o Mulato ll dentro do sistema de produção de ILP.

 

A Desenvolvedora Tecnológica da Barenbrug do Brasil comenta o experimento da COMIGO. “A Brachiaria híbrida cv. Mulato II se consolidou na safra 19.20 como um grande aliado ao produtor nos sistemas de ILP com elevada entrega de rentabilidade e maior produtividade. Este é o resultado de muito estudo e comprometimento com a qualidade para servir nossos clientes com mais tecnologia, inovação e, sobretudo, ganhos produtivos em comparação a outros produtos do mercado”, salienta Samea Cabral.

 

*O experimento do Instituto de Ciência e Tecnologia COMIGO – ITC foi conduzido pelos seguintes autores: Ubirajara Oliveira Bilego; Hemython Luis Bandeira do Nascimento; Antônio Eduardo Furtini Neto; Dieimisson Paulo Almeida; Rafael Henrique Fernandes; Diego Tolentino de Lima; Kátia Aparecida de Pinho Costa; e Eduardo da Costa Severiano.

voltar